Sem ajuda da Apple, Google melhora troca de mensagens entre Android e iPhone


A conversa por SMS entre celulares Android e iPhone não garante uma experiência muito agradável. Afinal, nem todos os recursos funcionam como o esperado ao enviar uma mensagem de texto de um sistema operacional para outro. Mas o Google está aprimorando a integração para conter estes gargalos, ainda que a Apple não auxilie.

O que é RCS? (sucessor do SMS)Como ativar e usar o iMessage no iPhone [efeitos, aplicativos, adesivos, privacidade]

Android (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

O incremento foi reportado por um usuário do Reddit. No domingo (25), Jabjab345 relatou que, pelo Google Mensagens Beta, conseguiu reagir a mensagens enviadas pelo celular da Apple. “Agora o Android pode interpretar as reações do iPhone, mas não o contrário”, afirmou.

Ainda assim, não há concordância entre os usuários em relação à forma como o iPhone interpreta as reações. Nos comentários, algumas pessoas informaram que o iOS 16 já resolveu esta inconsistência e exibe os emojis em vez de um aviso. Mas o próprio autor do tópico afirmou que testou em um celular da Apple com a versão mais atual do software e não teve o mesmo resultado.

A mudança, no entanto, ainda não está disponível a todos. Limitado ao beta do Google Mensagens, outras pessoas comentaram ao longo do tópico que não tiveram acesso à novidade. Também não há previsão de lançamento da novidade a todos os usuários do aplicativo de SMS para Android.

Google Mensagens permite reagir em SMS para iPhone (Imagem: Reprodução/Android Police)

Mas por que se preocupar com o SMS em 2022?

Sob os olhos dos brasileiros, que adotou o WhatsApp como mensageiro principal, o cuidado pode não fazer muito sentido. Mas há ainda alguns países que utilizam o SMS como meio principal para trocar mensagens. É o caso dos Estados Unidos que, em 2020, enviou um trilhão de mensagens pessoais e comerciais contra 8 bilhões na Alemanha, de acordo com a Strategy Analytics ao New York Times.

Os Estados Unidos também concentra uma grande quantidade de clientes da Apple. Conforme exposto por números do Statista em cooperação com a Counterpoint Research, a fabricante do iPhone abocanha uma fatia de 48% do mercado local de smartphones. A Samsung e a Motorola vêm em segundo e terceiro lugar, respectivamente, com participações de 30% e 9%.

Evidentemente, já dá para observar uma grande questão com estes dados: apesar da vasta participação de mercado, o iPhone ainda precisa se comunicar com celulares Android. Portanto, isto significa que tanto Apple quanto Google devem colaborar para oferecer a experiência adequada aos usuários.

E é aí que nasce o problema: enquanto a Apple trabalha com o iMessage, limitado ao seu próprio ecossistema, o Google introduziu o RCS. E é justamente por isso que o Google vive alfinetando a Apple, pois os dois sistemas não conversam direito.

iMessage à esquerda, SMS à direta (Imagem: Reprodução/Apple)

Google alfineta Apple para adotar o RCS

Não é à toa, portanto, que o Google tenha alfinetado a Apple nos últimos tempos. Em junho, a companhia usou uma música do Drake para provocar Apple sobre falta de RCS no iPhone. Mas a maior provocação aconteceu em agosto, quando a gigante das buscas colocou a página “É hora da Apple corrigir as mensagens de texto” no ar.

Ao longo da página, a companhia destaca alguns problemas que surgem pela ausência do RCS no iPhone. É o caso do envio de imagens, que podem ficar minúsculas e com baixa qualidade se forem enviadas via MMS. O Google também questiona a segurança ao fazer a troca de mensagens via SMS, pois a nova plataforma oferece criptografia de ponta a ponta.

“A experiência ruim que você obtém ao enviar mensagens de texto para usuários do Android é criada pela Apple”, diz a página do Google. “Mas eles podem corrigi-lo mudando de SMS/MMS para RCS, o padrão moderno da indústria. E a experiência de todos seria melhor.”

Com informações: Android Police e Reddit

Sem ajuda da Apple, Google melhora troca de mensagens entre Android e iPhone


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *