60% do tráfego online de bitcoin passa por 3 operadoras, mostra estudo


Uma das principais e mais vantajosas características das criptomoedas é oferecer um sistema descentralizado. Ou seja, teoricamente, as moedas digitais não estão sob o controle de nenhuma empresa ou banco central. No entanto, um estudo recente diz que há “centralidades não intencionais” nessa tecnologia, apontando que 60% do tráfego de bitcoin (BTC) se concentra em apenas três operadoras de internet.

Bitcoin, ether, NFTs e metaverso: como tudo isso se encaixa?Como criar uma carteira de bitcoinBitcoin (Imagem: Dmitry Demidko/Unsplash)

Os resultados foram apresentados nesta semana em um relatório da Trail of Bits, a empresa de pesquisa de segurança de software que trabalhou na pesquisa encomendada pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA). O estudo indica que o sistema financeiro em blockchain não é tão descentralizado enquanto existem pessoas ou organizações que detém a maioria das criptomoedas.

As “centralidades não intencionais” no blockchain

Em entrevista à NPR, o CEO da Trail of Bits, Dan Guido, disse que a crença amplamente aceita no mercado de que as moedas digitais são descentralizadas não é completamente verdadeira. “Foi dado como certo que o blockchain é imutável e descentralizado, porque a comunidade diz isso”, afirmou.

A empresa definiu esse fenômeno como “centralidades não intencionais”. Trata-se de uma circunstância em que uma ou mais entidades dominam um sistema descentralizado, como o blockchain de uma criptomoeda. Dessa forma, o estudo aponta que, se houver interesse, esses controladores teriam a oportunidade de adulterar os registros “imutáveis” e considerados extremamente seguros das moedas digitais.

Uma rede blockchain é sustentada por múltiplos computadores em todo o mundo (Imagem: Tumisu/Pixabay)

Maior parte do tráfego de BTC passa por 3 operadoras

Como o principal exemplo dessa condição, o relatório aponta que apenas três operadoras de internet concentram 60% de todo o tráfego de bitcoin no mundo. Sendo assim, uma rede blockchain pode sofrer seriamente se um regulador de comunicações, um hacker ou outra pessoa de dentro dessas empresas decidir desacelerar ou interromper o tráfego do ativo.

O estudo também identificou outros pontos fracos na própria rede dessa criptomoeda. Segundo os pesquisadores, 21% dos nós (nodes) do blockchain do bitcoin executa uma versão antiga e mais vulnerável do sistema principal do ativo digital. Se descobertos, esses nós podem se tornar alvos de hackers, ainda que uma invasão bem sucedida seja bem improvável pelo tamanho da rede.

Tudo isso não significa que o blockchain não cumpre o que promete. Essas redes ainda trazem benefícios, mas nem tudo é como imaginávamos. Conforme evidenciado pela pesquisa encomendada pela DARPA, a tecnologia descentralizada por trás das criptomoedas possui suas falhas.

Enquanto existirem as chamadas “baleias” (whales), poucas contas que detém grande parte das moedas digitais em circulação, as “centralidades não intencionais” continuarão ocorrendo.

Com informações: Engadget

60% do tráfego online de bitcoin passa por 3 operadoras, mostra estudo


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *