O iFood comeu o mercado de delivery no Brasil

O iFood comeu o mercado de delivery no Brasil

Em qualquer que seja o setor, é difícil encontrar um único concorrente que domine mais de 80% do mercado. Mas é exatamente esse o cenário que vemos no segmento de delivery no Brasil.

iFood domina o delivery no Brasil, mas restaurantes e rivais contam como vão reagirNem Uber, nem 99: apps regionais correm para dominar o interior do BrasilUber Eats naufraga, e o iFood domina (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O iFood vai na frente, e com uma folgada dianteira. A empresa se tornou sinônimo de delivery, acumulando no caminho uma série de questionamentos às suas práticas competitivas e reclamações por parte dos restaurantes que vendem pela plataforma. A força da marca é tamanha que nem a Uber foi capaz de se manter no páreo, tendo se retirado do mercado no dia 7 de março.

Como razões para a desistência, a Uber citou as “práticas exclusionárias” e as “barreiras artificiais” impostas pelo iFood. O principal exemplo dessas barreiras são os contratos de exclusividade fechados entre iFood e restaurantes, impedindo-os de vender através de outros aplicativos. Rappi, 99Food e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) concordam com essa tese. O Cade ainda analisa a questão.

Independentemente da decisão do órgão, uma coisa é certa: o mercado brasileiro de delivery é concentrado como poucos. E, no momento, são poucas as chances de isso mudar.

Falta de foco e restaurantes insatisfeitos

Se nem um nome tão consolidado como a Uber foi capaz de bater de frente com o iFood, quem será? E quais razões levaram o Uber Eats a jogar a toalha?

Um dos motivos foi a falta de foco no negócio de delivery. Essa é a opinião de Renato Almeida, CEO da Consumer, empresa que desenvolve sistemas de gestão para restaurantes. Com a forte participação da empresa no ramo de corridas por aplicativo, a entrega de comida se colocava como um segmento à parte. Faltou desenvolver estratégias próprias para crescer frente à concorrência.

Outras razões são operacionais. O Uber Eats tinha uma série de problemas, destacados por donos de restaurantes ao Tecnoblog. Incapaz de oferecer uma alternativa de qualidade ao iFood — que também coleciona reclamações de quem vende na plataforma —, a operação sucumbiu. E é difícil vislumbrar outro superapp de delivery que tenha condições de prosperar onde o Uber Eats falhou.

O mercado procura opções. Restaurantes experimentam com aplicativos de entrega próprios e apostam na volta ao consumo presencial; há quem planeje sair de vez do iFood, apesar da importância da plataforma para o faturamento. Essa decisão traz consigo um acúmulo de responsabilidades: investir no marketing próprio, buscando criar clientes que decidam acessar os canais do restaurante em vez da praticidade de pedir pelo iFood.

Outros aplicativos tentam comer pelas beiradas, com foco em cidades do interior. É o caso do 99Food. Estes também têm sua leva de desafios, entre eles convencer donos de restaurantes a apostar na nova plataforma após tantos desgastes com o iFood e Uber Eats. Não será fácil convencer esses estabelecimentos.

Na avaliação de Almeida, a tendência do mercado é a maturidade. Restaurantes estão percebendo a necessidade de expandir suas opções, escapando da dependência do iFood. Mas e o usuário? Quais os incentivos para que este busque seus pratos favoritos em outro lugar?

Enquanto os demais players tentam responder essa pergunta, o iFood segue na dianteira — e vendo a distância crescer cada vez mais.

Mercado de delivery foi tema do Tecnocast

Dá para bater de frente com o iFood? Essa é a pergunta que guia a edição 238 do Tecnocast. Nela, Renato Almeida explica como a empresa se tornou tão dominante, e quais problemas isso traz ao mercado.

ASSINE | Você pode ouvir o Tecnocast no Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts, Pocket Casts, Castbox, Overcast ou no seu player favorito.

O iFood comeu o mercado de delivery no Brasil


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.