Chips de PS5 quebrados são reaproveitados para minerar criptomoedas

Chips de PS5 quebrados são reaproveitados para minerar criptomoedas

Já se perguntou o que acontece com PS5 quebrados ou descartados? Os consoles defeituosos estão sendo desmontados pela própria AMD para se tornarem máquinas “oficiais” de mineração de criptomoedas fabricadas pela ASRock. Essas máquinas, por sua vez, são equipadas com chips criados a partir da APU do videogame da Sony — componente que combina processador e placa de vídeo.

Como funciona a mineração de criptomoedas [Bitcoin, Ethereum, etc.]Como escolher uma placa de vídeo [Guia & Dicas]PlayStation 5 (PS5) (Imagem: Divulgação/Sony)

O leaker japonês conhecido como Komachi descobriu que a ASRock está vendendo, na Eslovênia, servidores de mineração de criptomoedas “testados e certificados” por US$ 15 mil (cerca de R$ 70 mil em conversão direta). Dentro dessas máquinas há 12 chips BC-250, fabricados pela AMD, operando a 610 MH/s de taxa de hash — ou hash rate, em inglês.

Essas APUs de código BC-250, por sua vez, são construídas a partir do system-on-a-chip (SoC) de codinome Ariel/Oberon, do PS5, segundo Komachi. Vale mencionar que o chip do videogame da Sony também é fabricado pela AMD e inclui processador de arquitetura Zen 2, assim como placa de vídeo RDNA 2 — mesma tecnologia usada nas GPUs da marca para desktops.

O servidor vendido pela ASRock, inclusive, conta com 16 GB de memória RAM GDDR6, assim como o PS5. Na página do produto, porém, a empresa não detalha o modelo do processador usado nas máquinas. Isso significa que um dos chips construídos a partir do SoC do PS5 está sendo usado para processar tarefas que não tem a ver com mineração de criptomoedas.

Servidores da ASRock para mineração são vendidos na Europa por até US$ 15 mil (Imagem: Reprodução/PC Gamer)

As máquinas da ASRock são bastante buscadas pelos mineradores de criptoativos, porque o desempenho delas não é limitado por recursos como o Lite Hash Rate (LHR), presente nas placas de vídeo da Nvidia da série RTX 30. Alguns usuários já foram até infectados por malwares após tentarem remover o LHR das GPUs por conta própria.

AMD já reaproveitou chips do PS5 antes

Vale mencionar que essa não é a primeira vez que a AMD reaproveita chips de PS5 quebrados ou descartados. Em 2021, a fabricante lançou os AMD 4700S e 4800S — kits para desktops com placa-mãe equipada com um SoC idêntico ao usado no console da Sony.

Por ser um console com bastante poder de processamento gráfico, é esperado que a placa de vídeo do PS5 possa ser usada para minerar criptomoedas. Só é curioso encontrar componentes do videogame sendo vendidos dentro de servidores em países tão isolados na Europa, como a Eslovênia.

Com informações: PC Gamer, Tom’s Hardware.

Chips de PS5 quebrados são reaproveitados para minerar criptomoedas


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.